segunda-feira, 19 de maio de 2008

Uma Introdução aos Manuscritos de Khaburis


por Nyudraá


O manuscrito de Khaburis é uma cópia do Novo Testamento do segundo século, que foi escrito aproximadamente 165 d.C (documentado internamente como 100 anos após a grande perseguiçao dos cristãos por Nero, em 65 A.D). Testes com carbono datou esta cópia do Novo Testamento para ser aproximadamente 1.000 anos. Dado a suas origens, isto far-lhe-ia uma cópia dos manuscritos mais velho do Novo Testamento.
Foi escrito em um pergaminho de cordeiro e com a capa feita de madeira verde-oliva, adorneda com folhas de ouro nas dobradiças e nos canto de suporte. O escrevente deste livro estaria na antiga Nineveh (Mosul, Iraq nos dias de hoje), de acordo com o Colophon, foi assinado por um Bispo da igreja de Nineveh. Colophon, o Bispo certificou (com sua assinatura e selo invertidos) Khaburis é uma cópia original e fiel do segundo século. Do interesse particular, é o fato que o Khaburis está escrito inteiramente no Aramaico, a lingua de Yeshua.

O manuscrito original do segundo século, é sem duvidas o Khaburis, pois foi escrito no antigo Estranguelo (Aramaico de escrita quadrada). A escrita que foi desenvolvida na escola de Edessa (100 A.D) a fim gravar os ensinos de Yeshua. A palavra, Estranguelo, significa literalmente “escrever a mensagem revelada.” Antes desta data, como no Síriaco antigo e nas escritas Hebraicas, o Aramaico antigo usou somente consoantes como é de costume das escritas semitas antigas. Este transformou-se um desafio para os cristãos do ocidente, como a palavra espalhada para fora de sua origem e do seu tempo e de lugar. Para preservar a exatidão na compreensão da mensagem, as escritas necessitavam que fossem representadas claramente a pronunciação das vogais em cada palavra.
Assim, em Estranguelo, os pontos das vogals foram adicionados para esclarecer as pronunciações, e significados.
Parece que o Estranguelo era o primeira escrita Semita a incluir estes pontos vocálicosl. As traduções do Novo Testamento em grego, então no Latin, portugues, e então no portugues moderno perderam progressivamente mais e mais das nuancias do Aramaico. Até este século passado, aquelas línguas ocidentais/culturais não podiam expressar determinado núcleo de conceitos das mentes e dos significados dos falantes Arameus.
Com a tradução deste manuscrito usando estes significados rediscobrimos, os conceitos inteiros que às vezes pareceram nos confundindo. A mensagem nos ensinos de Yeshua torna-se ainda mais lógica, e sempre centrado mais em torno dos conceitos do amor e do perdão.

Dentro do Cristianismo oriental, a tradição espiritual do “Targums” (similar à tradição Judaica do Midrash) significou que os povos viriam junto estudar o Escrituras e o aprender da discussão. Possuir uma cópia do Novo Testamento era dependente de uma família que podia empregar um escrevente para fazer uma cópia. Na cultura ocidental, por muitos séculos, o acesso à Biblia foi limitado ao clero, e até advento da imprensa, os do ocidente não tiveram o mesmo acesso de primeira mão como os povos orientais fizeram com os ensinos de Yeshua.

A Biblia foi passada de geração à geração. O Khaburis é o Novo Testamento. “O manuscrito foi escrito ao todo os vinte e dois livros de Canon Oriental do Novo Testamento, que excluiu, o livro de Apocalipse e as 4 Epistolas curtas (II Pedro, II e III João, e Judas).

Nos anos 60 dois americanos, Dr. Normam Malik e Dan MacDougald Jr, viajaram para encontrar um Novo Testamento em Aramaico intacto. Sua esperança era descobrir o significado atrás das palavras Aramaicas de Yeshua, por que podia “expulsar demonios” e curar a doença mental. Porque o Codex de Yonan ( 400-700 d.C ) estava emendado e incompleto, foi muito interessante ter podido encontrar uma versão mais intacta do Novo Testamento poderia nos trazer uma nova luz.
Sua viagem conduziu-lhe para a Mesopôtamia, e eventualmente à um monastério proximo do rio Khabur, um canal do rio Eufrates, na região montanhosa da Síria do norte, e da Turquia do sul, uma região, povoada nestes dias, com cristãos falantes do Aramaico.
Estava aqui, neste monastério proximo do rio Khabur, o Codex de Khaburis que tinha sido guardado por séculos. No monastério, gastamos muito tempo com um monge centenário, que pudesse nos ajudar à compreender alguns dos significados em aramaico.
Enquanto saimos para fora, ao retornarmos conseguimos comprar o manuscrito e traze-lo para a América, onde, por certos anos, uma equipe de estudantes falantes fluentes do Aramaico, da fundação do Codex de Yonan, trabalhava para decifrar e traduzir aquele livro antigo. Este trabalho conduziu eventualmente a algumas descobertas surpreendentes, devido aos conceitos recentemente revelados no Aramaico original. Os ensinos de Yeshua vieram inteiramente a tona e plenamente vivos, com significados e importâncias novas.

Fontes:1) Unpublished writings of Abbott Gerrit Crawford, PhD, MSJ, Western-Rite Syrian Orthodox Church in America 2) fr. michael ryce, N.D., D.C.P.3) Enlightenment, Khaboris Manuscript, The Yonan Codex Foundation, Inc. Atlanta, GA 1993
http://whyagain.com/KhaburisKhaboris/index.php

5 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom esse comentário. Existe cópia eletrônica do Khaburis?

Nyudraá disse...

http://whyagain.com/KhaburisKhaboris/index.php

entre neste site que tem nele a copia digitalizada deste livro inteiro!


Shlama lukh - paz sobre ti
Nyu

Bp Sandro! disse...

Amado Nyu, vc disse que o khabouris é uma cópia do segundo século, mas no aramaic peshitta está dizendo o seguinte: "...It has been carbon-dated to the twelfth century, which is confirmed by palaeography.". ("...Foi carbono-datado ao décimo segundo século que é confirmado através da paleografia."). Qual é amado a data correta?

Bp Sandro! disse...

Amado Nyu, vc disse que o khabouris é uma cópia do segundo século, mas no aramaic peshitta está dizendo o seguinte: "...It has been carbon-dated to the twelfth century, which is confirmed by palaeography.". ("...Foi carbono-datado ao décimo segundo século que é confirmado através da paleografia."). Qual é amado a data correta?

Nyudraá disse...

Shlama Bruno,
segundo o site que possui a cópia deste Livro, diz que o manuscrito é uma cópia de um manuscrito do 2o sec. e não que ele foi escrito no primeiro, século, acho que isso não ficou muito claro no post. mas é esta info. que eu tenho a respeito dele.

Shlam