segunda-feira, 26 de maio de 2014

Papa e primeiro-ministro de Israel discordam sobre língua falada por Jesus


JERUSALÉM (Reuters) - O papa Francisco e o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, discordaram nesta segunda-feira sobre a língua falada por Jesus dois milênios atrás.


"Jesus esteve aqui, nesta terra. Ele falava hebraico", disse Netanyahu ao papa, em um encontro público em Jerusalém no qual o primeiro-ministro citou uma forte conexão entre o judaísmo e o cristianismo.
"Aramaico", interveio o papa.
"Ele falava aramaico, mas ele sabia hebraico", Netanyahu retrucou.
Assim como muitas outras questões no Oriente Médio, onde o papa está no último dia de uma visita de três dias, as referências a Jesus nos dias de hoje são complicadas e muitas vezes políticas.
Um judeu, Jesus nasceu em Belém, na região da Judeia -- à época dominada pelos romanos --, atual Cisjordânia, ocupada por Israel. Ele cresceu em Nazaré e ministrava na Galileia, no norte de Israel, e morreu em Jerusalém, cidade reverenciada por judeus, cristãos e muçulmanos e reivindicada por israelenses e palestinos.
Os palestinos, às vezes, descrevem Jesus como um palestino, algo a que os israelenses se opõem.
O professor de linguística Ghil'ad Zuckermann disse à Reuters que tanto Netanyahu, filho de um renomado historiador judeu, quanto o papa, líder espiritual da comunidade de 1,2 bilhão de católicos no mundo, têm argumentos válidos.
"Jesus era um falante nativo do aramaico", disse sobre a língua semítica quase extinta que tem grande relação com o hebraico. "Mas ele também teria conhecido o hebraico porque havia escritos religiosos em hebraico."
Zuckermann afirmou que na época de Jesus, o hebraico era falado pelas classes mais baixas, "o tipo de pessoas a quem ele pregava".
(Por Jeffrey Heller e Dan Williams)

4 comentários:

Venner disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pastor Roldenyr Cravo disse...

Paz seja convosco, irmão Rodrigo. Sou pastor da Igreja do Evangelho Quadrangular em Juiz de Fora-MG., e apaixonado por história do cristianismo, da teologia, e, como não poderia deixar de ser, de hermenêutica e exegese. Isso me arremessou a pesquisa sobre os idiomas originais. Depois de alguns anos, vejo que os eruditos e experts ainda não chegaram a um consenso. Segundo informações, depois dos 70 anos do exílio babilônico, o povo que retornou falava o aramaico, idioma comum na mesopotâmia. Apesar dos esforços de Esdras, Zorobabel, Neemias, escribas e levitas em ressuscitar o aprendizado do hebraico, este ficou relegado à classe sacerdotal, haja vista os textos sagrados vertidos em hebraico. Entretanto, ai está um ponto interessante. Os historiadores informam que o hebraico era falado apenas no circulo sacerdotal e nos templos, enquanto que o povo comum falava o aramaico. O povo comum foi deixado pra trás no exílio babilônico, somente os nobres, classe sacerdotal, príncipes e dirigentes foram levados. Se eles já falavam o hebraico, então, continuaram falando. Os que retornaram é que foram afetados pelo idioma mesopotâmico. Então, por este raciocínio, tem razão o erudito q vc cita, ao dizer que o povão não falava aramaico, apenas hebraico. Entretanto, dada a proximidade da região da galiléia com a sírira, onde o idioma era o siríaco e o aramaico, há informações de que este seria o idioma falado nas cidades abrangidas pela região da galiléia, e neste caso, natzareth, onde Jesus foi criado e onde iniciou seu ministério. Portanto, creio eu, que, Jesus tanto falava o aramaico galileu,e o aramaico da elite, quanto falava o hebraico do povão e o hebraico sacerdotal, mesmo prq, os textos sagrados eram escritos em hebraico, e os evangelhos citam, pelo menos uma passagem, onde Jesus entra na sinagoga em Cafarnaum (cidade da região da galiléia), lê o texto de Isaias e faz um comentário sobre ele. Penso que é provável que Jesus tenha lido o texto em hebraico e seu comentário tenha sido feito em aramaico. De qq forma, pude perceber que há uma certa semelhança fonética do aramaico com o hebraico, e deste com o árabe, talvez, por serem tipos do gênero semítico. Aguardo sua opinião.
Shalom Adonay

Roldenyr Cravo
cassiacravo@gmail.com

Rodrigo Altafinn disse...

Perfeito, concordo com o seu comentário Roldenyr, excelente explanação, penso igual. =)

Erivelton Carvalho disse...

Como escreve o nome Família em Aramaico?